Quando os líquidos são resfriados, eles ou se cristalizam, como o gelo, ou se tornam cada vez mais viscosos, até deixarem de fluir e se comportarem como vidro. O primeiro comportamento representa o congelamento verdadeiro e o segundo é conhecido como super-resfriamento.
 
O glicois não tem ponto de congelamento definido. O propilenoglicol e seus similares se tornam sólidos como o vidro ao invés de congelarem. A adição de água a um glicol resulta em uma solução com um ponto de congelamento que se situa abaixo do ponto de congelamento da água. Este fato possibilita o uso de soluções aquosas de glicois como meio de resfriamento a temperaturas consideravelmente abaixo do ponto de congelamento da água. Ao invés de ter pontos de congelamento definidos, estas soluções aquosas se tornam cada vez mais viscosas durante o congelamento. À medida que a temperatura é abaixada, a solução se torna mais e mais viscosa, até finalmente deixar de fluir.

Devido ao seu alto calor específico(a 25 °C aprox. 0,60 cal/g/°C), sua baixa viscosidade (aprox. 58,1 cP @ 20 C), sua baixíssima toxicidade, sua não corrosividade, e por ter um ponto de congelamento não caracterizado, o propilenoglicol é muito utilizado na  indústria de alimentos (vinhos, cerveja, leite, etc...) e naquelas que utilizam sistemas de congelamento por imersão como meio de transferência de calor.

O propilenoglicol pode ser utilizado como fluído secundário de refrigeração para grandes tanques ou câmaras frigoríficas, com baixíssimos riscos de graves contaminações, no caso de eventuais vazamentos.

Além disso, quando inibido contra a corrosão, aumenta a vida útil dos equipamentos e, devido ao seu efeito lubrificante, diminui a energia gasta no bombeamento. O propilenoglicol também é utilizado para a fabricação de gelo e para processos de congelamento por imersão.

Especificamente, no caso da fabricação de cerveja o propilenoglicol é usado no sistema de refrigeração do tanque de fermentação, oferecendo inúmeras vantagens sobre outros produtos utilizados para a mesma finalidade, como por exemplo sua baixíssima toxicidade e sua excelente lubrificação do sistema, economizando até 25% da potência requerida para o bombeamento.