O Mercúrio é o único metal líquido em temperatura ambiente. Apresenta intenso brilho metálico, mas não tem outras propriedades metálicas muito acentuadas. É usado em termômetros e barômetros porque se expande uniformemente com a temperatura, tem alta densidade (13,54 g/cm3) e não é facilmente oxidado pelo oxigênio do ar.

O mercúrio pode dissolver outros metais, especialmente os mais moles, como a prata o ouro e o cobre, formando uma liga metálica conhecida por amálgama. O mercúrio é muito utilizado em obstruções dentárias.

Apesar do mercúrio não ser muito volátil, seus vapores são muito tóxicos, devendo-se tomar precauções, quanto à exposição ao produto.

Composição do Mercúrio - Hg: Elemento metálico que apresenta na sua composição no mínimo, 99,5 por cento de Hg, de número atômico 80, peso atômico 200,61. Metal líquido volátil, solúvel em ácido sulfúrico fumegante e ácido nítrico. Solúvel em gorduras. Insolúvel em água, álcool e éter. Não combustível. ALTAMENTE TÓXICO. CONCENTRAÇÃO MÁXIMA PERMITIDA= 0,05 mg/m3 DE AR.

RESTRIÇÕES OU CUIDADOS A SEREM CONSIDERADOS.

O mercúrio emite vapores em todas as temperaturas; a atmosfera dos locais em que se emprega o mercúrio tem vapores de mercúrio muito tóxicos, os quais provocam acidentes caso não sejam tomadas medidas de precaução. Nos locais onde se trabalha com mercúrio deve-se evitar derramamentos do produto, e suas embalagens devem permanecer devidamente fechadas quando não estiverem sendo utilizadas. A manipulação do produto deve ser feita com equipamento de segurança adequado como luvas, máscara com filtro para vapores de mercúrio, vestimentas apropriadas e no local com exaustão de gases (exaustor ou capela), havendo exaustão completa do ar, renovando-o constantemente.  

Precauções simples podem permitir o uso seguro do mercúrio.

Ele não deve ser manipulado na palma da mão ou com os dedos. Devido ao fato de pequenas gotículas de mercúrio terem alta pressão de vapor, que aumenta com a temperatura, o mercúrio derramado deve ser limpo, * principalmente em consultórios que têm ar condicionado com saídas ao nível do chão;

A possibilidade de inalação de gotículas de mercúrio carregadas pelo ar podem ser muito reduzidas se as cápsulas nas quais o amálgama é misturado forem substituídas quando antigas ou danificadas;

Deve-se tomar cuidado ao manipular o mercúrio, de modo que não entre em contato com artigos feitos de metais preciosos, como anéis ou outras jóias.

Alguns cuidados devem ser tomados no consultório odontológico:

A) Evitar derrame de mercúrio no piso e nos móveis do consultório;
B) Manipulação com mão enluvada, uso de máscara e de óculos;
C) Consultório dotado de alta exaustão;
D) Reduzir a relação mercúrio/liga;
E) Não utilizar amalgamadores com fuga de mercúrio;
F) Não utilizar condensadores automáticos;
G) Evitar falha no sistema de alta sucção do consultório;
H) Uso de alta sucção durante a remoção de uma restauração e utilizar brocas novas e água gelada para este procedimento;
I) Uso de isolamento absoluto para evitar queda de amálgama na cavidade bucal. Nota: a mucosa do assoalho da cavidade bucal é altamente permeável;
J) Armazenar o mercúrio em continentes hermeticamente vedados;
K) Realizar todas as operações que envolvam o mercúrio em áreas que apresentem superfícies impermeáveis e adequadamente acabadas nas bordas, para confinar e facilitar a recuperação de mercúrio ou amálgama derramado;
L) Limpar imediatamente qualquer mercúrio esparramado. As gotículas podem ser tomadas por meio de um tubo de orifício estreito, ligado (por meio de uma passagem através de uma garrafa coletora) ao aspirador de baixo volume do equipo dentário;
M) Usar cápsulas hermeticamente vedadas, durante a amalgamação;
N) Usar técnicas de amálgama que evite toca-lo com as mãos;
O) Acumular todos os restos de amálgama, armazenando-os em recipiente, sob água;
P) Trabalhar em locais bem ventilados;
Q) Evitar carpetes nos consultórios dentários, pois a descontaminação deles é impossível;
R) Evitar aquecer o mercúrio ou o amálgama;
S) Usar jatos de água e sucção, quando desgastar amálgama dentário com o torno;
T) Usar procedimentos convecionais de compactação do amálgama dentário, manual e mecânicos; porém, não empregar condensadores de amálgama ultra-sônicos;
U) Realizar anualmente determinações de mercúrio em todo o pessoal regularmente empregado no consultório dentário;
V) Realizar determinações periódicas do nível de vapor de mercúrio nos consultórios dentários.

Quebra de frascos de mercúrio: O que fazer?

1) Ventilar a sala abrindo as janelas.
2) Interditar a sala até que todo o mercúrio derramado seja removido.
3) Caso o mercúrio caia no piso, tentar removê-lo com uma folha de papel bem fina ou com uma seringa Luer e depositá-lo em recipiente apropriado. Use luvas para a operação.
4) Caso fique, ainda, mercúrio no piso, recobri-lo com pó de enxofre ou óxido de zinco, e depois coletar a mistura em recipiente apropriado.
5) Lavar o piso com água e sabão e em seguida encerá-lo. A cera impede a retenção do mercúrio no piso.
6) Após esses cuidados, a sala pode ser liberada para uso.
7) Coletar os resíduos de amálgama em recipiente dotado de boca larga e de material inquebrável. Deixar uma lâmina de água sobre o resíduo. Manter o recipiente hermeticamente fechado e em local de baixa temperatura (inferior a 25 °C), isento de luz solar direta.
8) Os recipientes contendo resíduos do produto devem ser encaminhados a empresas de reciclagem ou deposição de resíduos tóxicos, que sejam autorizadas pelos órgãos ambientais locais. Nunca faça a deposição em pias, ralos, solo, rios, lagoas ou em mananciais de água, consulte a legislação ambiental local. As embalagens contaminadas com o produto deverão ser descartadas da mesma forma que os resíduos do produto.

NOTA: O mercúrio do piso pode aderir à sola do sapato e, assim, pode ser transportado para outros locais e expor outras pessoas aos efeitos tóxicos deste produto.